Lista museum

Mensagem

[Museum] Sobre um problema "bestial", a 9 de Julho

To :   "archport" <archport@ci.uc.pt>, "histport" <histport@uc.pt>, "museum" <museum@ci.uc.pt>, "porras" <pporras@der.ucm.es>
Subject :   [Museum] Sobre um problema "bestial", a 9 de Julho
From :   <jde@fl.uc.pt>
Date :   Tue, 24 May 2022 08:20:12 +0100

 

ASSOCIAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA COOPERAÇÃO

EM ARQUEOLOGIA PENINSULAR (ADECAP)

 

SOCIEDADE PORTUGUESA DE ANTROPOLOGIA E ETNOLOGIA (SPAE)

 

9 JULHO 2022 15 h. (de Portugal) por zoom:

https://videoconf-colibri.zoom.us/j/82078725538?pwd=dDgxVWZNMyt5eUZTUHhVdzJPTUZmQT09

 

 

SOBRE UM PROBLEMA "BESTIAL": A RELAÇÃO HUMANO-ANIMAL

 

CONFERÊNCIA ABERTA

 

por

 

Vítor Oliveira Jorge

IHC-FCSH-UNL

 

Problema tão antigo como o próprio ser humano: o que é um animal? O que é um ser humano? Homem e animal precisam um do outro de uma maneira primordial. Como se dá essa relação especular? Não se é humano sem se tentar a relação com o animal. Não se é animal sem o ser humano, último dos animais na história evolutiva das espécies, mas um animal provido da estranha capacidade de pensar todos os outros, atuais e extintos, e de os unificar sob essa designação mesma – “animal” - que o inclui a ele também. Mas...Caixa de Pandora aberta! Eterno debate entre os continuístas, que querem ver no humano apenas mais um animal, sofisticado sem dúvida (e assim anunciam triunfantes o fim da “excecionalidade humana”), e portanto abrindo a passadeira vermelha ao pós-humano e ao robô, e aqueles que, sendo também materialistas, não acolhem todo o Darwin tal-qual, mas pensam todavia que o humano não é apenas dotado de uma mente (de uma consciência, compreensível e modelizável pela neurologia, materializável pelas pesquisas da inteligência artificial, etc.), mas de um “espírito”, isto é, de um inconsciente. E essa invenção inaugural de Freud instala uma cesura definitiva na coisificação do humano, porque ele não é apenas o elemento de uma taxonomia, de uma zoologia, de uma história natural, mas articula-se, não na universalidade, nem na particularidade, mas na singularidade radical de cada sujeito. Cada ser humano subjetiva-se de uma maneira diferente de outro ser humano, convive com o enigma de si próprio e do Outro, qualquer outro. E inventa a esfinge para tentar circunscrever a sua estranheza, mas a própria esfinge também ignora, como qualquer um de nós, verdadeiramente o segredo (o vazio) que esconde (a fenda que a atravessa). Nós não sabemos o que estamos a fazer aqui, mesmo nas nossas atividades mais corriqueiras e habituais – é essa sensação de estranheza, ou inquietação, Das Unheimliche de Freud. E é com essa sensação que nos abeiramos do animal - mesmo do nosso animal de companhia, que afagamos, que nos afaga - do fundo do seu olhar, noite do mundo, espelho onde se reflete a nossa pergunta, ou seja, nada. 

_________________

 

Vítor Oliveira Jorge é presidente da direção das duas associações que organizam esta conferência. Professor catedrático aposentado da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, é desde 2015 investigador integrado do Instituto de História Contemporânea da FCSH da UNL.


Mensagem anterior por data: [Museum] Ofício enviado ao Ministro da Cultura e SEC - PEDIDO DE ESCLARECIMENTO COLAPSO INFORMÁTICO DA DGPC Próxima mensagem por data: [Museum] CONCERTO | Claustro do Mosteiro dos Jerónimos, 10 de junho, 21h30
Mensagem anterior por assunto: [Museum] Semana Acesso Cultura 2021 Próxima mensagem por assunto: [Museum] Statues also die